[sendpulse-form id=”1121″]

Duração de Exposição e seus Movimentos na Fotografia

[read_meter]

[Sassy_Social_Share]

A imagem mostra uma fonte de água como destaque. Ao fundo, há um banco de cor marrom, alguns arbustos, uma palmeira e construções no estilo colonial.
A. f/10, V. 1/250 s, I. 100 | Alice Pereira

Você conhece a variável responsável por trazer movimentos para a fotografia? Chamada de Duração de Exposição ou Velocidade, esse parâmetro refere-se ao tempo em que o obturador fica aberto para a entrada de luz no sensor da câmera. Na fotografia, as durações de exposição mais comuns são de frações de segundos, quanto maior o número do denominador, menor é a duração. 

O obturador é visto como uma “cortina” que, no momento do disparo, abre para captar a luz e, em seguida, se fecha. Além disso, há durações que são estipuladas para congelar ou riscar o objeto que deseja protagonizar na fotografia. 

Representação do Movimento

Na fotografia acima, há uma fonte de água e, para obter o efeito de congelamento, foi necessário utilizar uma curta duração. O movimento congelado traz a sensação que o assunto principal da foto está imóvel, como a água. Para alcançar esse efeito, é preciso diminuir a duração da exposição. No entanto, a duração a ser utilizada deve variar conforme o assunto que se quer fotografar. Por exemplo, o tempo de exposição para congelar um carro em movimento vai ser muito menor que para congelar uma pessoa andando.

Neste módulo, veremos alguns exemplos de fotografias em que o movimento está congelado ou borrado. Além de mostrar que é possível aplicar estes efeitos em diferentes objetos.

A imagem mostra uma pessoa andando de moto na rua e outra pessoa andando na calçada, ambas indo em direção à esquerda. Ao fundo, é possível ver um carro prata estacionado, também há casas e comércios no estilo colonial. A foto está sob o efeito congelado.
A. f/5.6, V. 1/500 s, I. 400 | Alice Pereira

Neste exemplo, o efeito dado na fotografia acima foi o de movimento congelado, na qual observamos uma pessoa andando na calçada e uma moto em movimento na rua. Porém, ambos trazem a sensação de imobilidade, visto que não é evidenciado nenhum rastro de movimento em nenhum dos personagens. Para produzir este efeito, foi necessário utilizar uma duração baixa, isso faz com que o tempo para captação da luz para formar a imagem seja pequeno.

A imagem mostra um menino e uma bola em movimento. Ao fundo há casas e carros estacionados na rua.
A. f/32, V. 1/30 s, I. 100 | Alice Pereira

Também podemos obter o efeito de borrar um movimento, o qual o objetivo principal da fotografia é mostrar o rastro de movimento que se forma, isso auxilia as pessoas a compreenderem a proposta da foto. Na imagem acima, observamos a bola em movimento. Para obter este efeito, basta usar uma longa duração da exposição.

A imagem mostra duas janelas abertas, de cor branca e azul, onde há diversos objetos pendurados do lado de dentro da casa, como camisetas, flores e bordados.
A f71 V 1160 s I 100 | Alice Pereira

Neste exemplo, foi utilizado o modo prioridade de velocidade, no qual a duração e o ISO são ajustados manualmente e somente a  abertura é ajustada automaticamente pela câmera, para que haja uma exposição correta na fotografia. Na imagem, é possível observar diversos objetos, os quais estão em constante movimento por estarem pendurados na janela. Diante disso, foi utilizada uma duração mais curta, ou seja, uma velocidade maior, para evitar que os movimentos ficassem borrados. O ideal é usar o modo prioridade de velocidade quando esse for um fator importante para captar em sua fotografia, como os movimentos. 

Os Fatores que Interferem no Resultado da Fotografia

É importante destacar que a duração da exposição depende de outros componentes da câmera que contribuem para a formação da fotografia, como o ISO e a Abertura. O controle desses três pilares da fotografia é chamado de triângulo de exposição. 

Além disso, o modo que a câmera é segurada também interfere no resultado final da imagem, sendo ideal que ela esteja firme, caso contrário, compromete sua nitidez. Quando ajustamos a câmera para captar longas durações, corremos o risco de produzir imagens tremidas. Para evitar que isso ocorra, recomenda-se o uso de monopés ou tripés. Também vale apoiar o equipamento sobre uma superfície estável.

Cabe ressaltar que a qualidade da imagem não pode ser ligada aos movimentos congelados/riscados, pois varia de acordo com o que se quer evidenciar na fotografia.

REFERÊNCIAS CONSULTADAS NA PRODUÇÃO DESTE CONTEÚDO

O Novo Manual de Fotografia – Guia Completo – John Hedgecoe file:///C:/Users/bruno/Downloads/O%20Novo%20Manual%20De%20Fotografia_%20Guia%20Completo%20-%20John%20Hedgecoe.pdf

InfoEscola – Obturador https://www.infoescola.com/fotografia/obturador/

Entendendo os Modos da Câmera – Eduardo e Mônica https://www.eduardo-monica.com/new-blog/entendendo-modos-camera-como-usar

Abertura, Velocidade e ISO: Os 3 pilares da fotografia – Eduardo e Mônica https://www.eduardo-monica.com/new-blog/iso-velocidade-abertura-exposicao-fotografia

COMO CITAR ESTE CONTEÚDO

PEREIRA, Alice. Tempo de Exposição e seus Movimentos na Fotografia. Cultura Fotográfica (blog). Disponível em:<https://culturafotografica.com.br/duracao-de-exposicao-e-seus-movimentos-na-fotografia/>. Publicado em: 14 ago. 2023. Acessado em: [informar data].

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Pular para o conteúdo
×